Felicidade global na pandemia

Foto: Hybrid /Unsplash

Em um ano que mais parece filme de ficção científica, com tantas incertezas, medos e acontecimentos impensados, é de se imaginar que o nível de Felicidade das pessoas tenha caído. Mas não é o que mostra o Global Happiness 2020, divulgado no início de outubro.

Foram entrevistadas quase 20 mil pessoas de 27 países, entre 24 de julho e 7 de agosto. A pesquisa mostra que 6 em cada 10 adultos estão felizes. A diferença para o ano anterior é de apenas um ponto percentual, apesar da pandemia de Covid-19. Ou seja, de 64% em 2019, passou para 63% em 2020. No Brasil, que teve mil participantes entre 16 e 74 anos, o resultado foi ainda mais positivo, subindo de 61% para 63%.

Nesse artigo você vai conhecer os países no topo e no fim da lista, os critérios utilizados e os fatores que mais ganharam destaque em meio à crise sanitária mundial.

Fontes de Felicidade

O Global Happiness é realizado anualmente pelo Instituto Ipsos. A pesquisa avalia 29 fontes potenciais de Felicidade, como saúde e bem-estar físico, qualidade de vida, segurança, relacionamento, situação financeira, amigos, hobbies, religião e bens-materiais, entre outras. 

Comparados ao ano anterior, os relacionamentos, a saúde e a segurança ganharam força na percepção de Felicidade, com 55%, 49% e 45%. Já tempo e dinheiro perderam 3 pontos, ficando com 34% e 40%.

Nas 10 primeiras posições de fontes de Felicidade global estão:

  • Saúde e bem-estar (55%)
  • Relacionamento com cônjuge ou parceiro (49%)
  • Filhos (49%)
  • Encontrar sentido na vida (48%)
  • Condições de vida (45%)
  • Segurança (45%)
  • Ter controle da própria vida (43%)
  • Ter um emprego/atividade profissional com propósito (43%)
  • Satisfação com o rumo que a vida está tomando (40%)
  • Ter dinheiro (40%)
Foto: John Doyle/Unsplash

Ainda que Felicidade seja subjetiva, pois depende de desejos, objetivos, valores, contexto e experiências de vida de cada pessoa, o Global Happiness Report 2020 aponta para um consenso universal sobre os fatores considerados principais fontes de Felicidade no mundo. Os resultados revelam que metade dos países participantes têm suas 5 principais fontes entre as 10 primeiras posições do ranking global.

Essa tendência universal se confirma no Brasil, com exceção da variável filhos, que ficou com a 13ª posição, com 53%. E esse é um dado que surpreendeu quando comparado ao Caleidoscópio da Felicidade, já que filhos é um grande fator de Felicidade indicado por um número expressivo dos entrevistados. Falaremos sobre esse tema mais adiante em um novo artigo.

Os 10 fatores indicados pelos brasileiros como sendo os mais prováveis em gerar muita Felicidade ou bastante Felicidade são:

  • Saúde e bem-estar: 68%
  • Sentido na vida: 62%
  • Trabalho com propósito: 61%
  • Ter controle da própria vida: 60%
  • Segurança: 59%
  • Religião ou espiritualidade: 58%
  • Condições de vida (água, alimento e moradia): 56%
  • Ter dinheiro: 56%
  • Situação financeira pessoal: 55%
  • Relacionamento: 55%

Os mais felizes

Foto: Jude Beck/Unsplash

Nos países considerados mais felizes pela pesquisa, 3 entre 4 adultos afirmam serem muito feliz ou bastante feliz. O campeão de Felicidade em 2020 foi a China, que subiu 11 pontos em relação ao ano anterior. Veja os top 5:

  • China: 93%
  • Holanda: 87%
  • Arábia Saudita: 80%
  • França: 78%
  • Canadá: 78%

As nações que subiram 5 ou mais pontos nos seus níveis de Felicidade em 2020 foram Argentina, China, Malásia, Rússia, Itália e Turquia. Desses, os quatro primeiros tiveram um aumento superior a 8 pontos.

E o Brasil?

Foto: Ben White/Unsplash

O Brasil está em 14º no ranking de Felicidade global. O nível de Felicidade dos brasileiros pode ter subido 2 pontos de 2019 para 2020 (de 61% para 63%), mas está longe da melhor posição já alcançada. 

Os melhores anos foram 2011, com 77%, e 2013, com 81%. Em 2017 o país caiu para 56%, recuperando-se 2018 e chegando a 73%.

Felicidade no mundo

Apesar da edição de 2020 demonstrar que, mesmo em meio à pandemia, o nível de Felicidade se manteve próximo ao do ano anterior, a incidência de Felicidade reduziu na última década. De 2011 para 2020, a queda foi de 14 pontos no índice global. 

Dos 23 países avaliados em 2011 e em 2020, 17 apresentaram queda de 5 pontos ou mais. África do Sul, Argentina, Espanha, Índia, México e Turquia tiveram redução de mais de 20 pontos nos níveis de Felicidade. A China foi o único país que mostrou crescimento significativo desde então.

Entre 2019 e 2020, os países que apresentaram queda de cinco pontos ou mais foram 12, sendo os mais afetados Peru, Chile, México e Índia. Os países no fim da lista neste ano são Hungria, Argentina, Espanha, Chile e Peru.

Que a próxima década seja de crescimento no índice de Felicidade global e em cada país. Enquanto isso, continue acompanhando nossos conteúdos diários no Instagram e nossos artigos semanais aqui no Blog.

Uma resposta para “Felicidade global na pandemia”

Os comentários estão fechados.