Dupla dinâmica: Felicidade e Saúde

Foto: Leonardo Iheme/Unsplash

Ela está nos desejos de aniversário, de fim de ano e até mesmo quando alguém espirra. Para trabalhar, para curtir a família e os amigos, para correr atrás de sonhos, para superar limites, para aproveitar o melhor da vida, para se sentir feliz. É um bem que todos querem, mas que não é possível repor, trocar ou comprar. Podemos, no entanto, cuidar para que não acabe e, se acabar, fazer o possível para recuperá-la.

Saúde é um bem-estar físico, mental e social muito relacionado à Felicidade. Diversas pesquisas analisam essa ligação e apontam não só para os efeitos negativos dos problemas de saúde sobre o nível de Felicidade, mas igualmente para o aumento do risco de doenças quando nos sentimos menos felizes.

Neste artigo, veremos alguns desses resultados e também dicas para você se manter saudável e impactar positivamente seus níveis de Felicidade.

Ciclo virtuoso

O que dizem as pesquisas sobre Felicidade e saúde? Vamos começar com o estudo populacional longitudinal Happiness and Health, realizado por 28 anos. Nesse período, o autor Andrew Steptoe identificou significativas associações entre estados psicológicos negativos e a incidência de doenças cardíacas, AVC e diabetes. Essas evidências reforçam a ideia não só de que para sermos felizes precisamos cuidar da saúde, mas, também, de que para ter uma boa saúde é importante sentir-se feliz.

Quando sofremos de uma doença grave ou quando temos muita dor é mais difícil experimentarmos sensações de alegria ou de prazer. Nessas situações, nosso bem-estar afetivo tende a ser menor, impactando nosso bem-estar avaliativo. Esses são conceitos relacionados à Felicidade.

Outro estudo, intitulado Optimizing well-being: The empirical encounter of two traditions mostra que o bem-estar afetivo está ligado a sentimentos positivos de alegria, de satisfação ou de prazer. Já o bem-estar avaliativo diz respeito às avaliações que fazemos acerca da qualidade de nossa vida, ou seja, o quão satisfeitos estamos com ela. E ambos estão conectados.

Se estamos alegres, tendemos a avaliar positivamente nossa qualidade de vida. Se desfrutamos de uma boa saúde, tendemos a experimentar mais sensações de alegria e, portanto, mais satisfação com a vida, o que contribui para nossa saúde. E o ciclo se realimenta.

Ter saúde não significa ser feliz, mas desfrutar de uma boa saúde é um fator de grande impacto para a Felicidade mais perene. Mesmo considerando-se a complexidade desse tema, ganham destaque a simplicidade de cuidados como ter uma alimentação saudável, dormir bem, beber bastante água, tomar sol (na dose certa), praticar atividade física.

Podemos citar, ainda, outros estudos que avaliam o impacto da saúde na Felicidade:

Dicas do Caleidoscópio

Na pesquisa Caleidoscópio da Felicidade, ao responder à questão “o que faz você feliz?”, muitos entrevistados relacionaram a prática de atividades físicas, comidas saudáveis e contato com a natureza (sol, mar, montanhas) como elementos que contribuem para sua Felicidade. Certamente isso beneficia diretamente sua saúde, mas igualmente o bem-estar afetivo e o bem-estar avaliativo.

Por isso, aí vão algumas dicas para sua saúde e que também vão influenciar positivamente seus níveis de felicidade.

Atividade física

Foto: Nick Page/Unsplash
  • Dançar melhora não somente a saúde do corpo, mas também a saúde emocional, de uma forma alegre, descontraída e divertida. A dança melhora a coordenação motora, o equilíbrio e a agilidade. Em relação à saúde emocional, a sensação de bem-estar durante a prática do exercício estimula a liberação de endorfina, que melhora o humor e a autoestima.
  • Caminhar reduz a pressão arterial na primeira hora e essa queda se mantém nas 24 horas subsequentes. Durante as caminhadas, o corpo produz uma substância que estimula e melhora nossas atividades cognitivas, em especial a memória. Além disso, caminhadas ajudam a manter o peso e a reduzir o risco de doenças cardíacas, AVC e diabetes tipo 2. Sem desconsiderar os benefícios para a saúde mental, reduzindo o risco de depressão, declínio cognitivo e demência. 
  • Pedalar é um dos poucos esportes que trabalha quase todos os grupos musculares do corpo, aumentando a liberação de endorfinas e serotoninas, substâncias que estimulam a sensação de prazer. O ciclismo estimula o metabolismo e a queima de substâncias que geram o colesterol ruim (LDL). Músculos, órgãos, artérias e veias agradecem!
  • Alongar, por fim, é uma boa opção para prevenir lesões e relaxar o corpo ao final (ou ao longo) do dia. Alongar aumenta o comprimento da fibra muscular, melhorando a circulação local.

Alimentação

Foto por Jessica Lewis em Pexels.com
  • Alimentação equilibrada. A ingestão de frutas, legumes, verduras, frutas e proteínas fortalece o sistema imunológico e o equilíbrio hormonal. Alimentar-se de uma forma saudável e equilibrada é essencial para garantir a qualidade de vida.
  • Água. Beba muita água. É fundamental para a manutenção das funções vitais do organismo e para evitar a desidratação. Não passe mais de 30 minutos sem beber um copo d’água.

Sono

Foto por Acharaporn Kamornboonyarush em Pexels.com
  • A diretora técnica do Instituto do Sono da Unifesp, professora Mônica Andersen, aponta que “dormir bem traz como consequência uma pele mais bonita, defesas mais aguçadas, peso em ordem e melhor desempenho sexual”. Dormir bem é um dos segredos para a longevidade.
  • Ir para a cama sempre no mesmo horário é importante para o cérebro não ficar em estado de alerta, dificultando uma sequência de noites repousantes.
  • Desligar aparelhos eletrônicos e evitar bebidas estimulantes duas horas antes de dormir é uma boa decisão. Você tem que relaxar e não se alertar antes do período do sono. Se não der para relaxar no final do dia com uma meditação, cante no chuveiro na hora do banho. A saúde agradece.

Manter-se feliz começa por manter-se saudável! E como diz a canção “Parabéns Gaudério”, desejamos a você Saúde e Felicidade.

Continue acompanhando nossos artigos no blog e nossas dicas no Instagram.