A Felicidade no Butão

Foto: Darpan Dodiya/Unsplash

Um pequeno país asiático, com menos de 1 milhão de habitantes, chamou a atenção internacional para a Felicidade ao propor às Nações Unidas, em 2011, o Dia Mundial da Felicidade. A data passou a ser celebrada em 20 de março, com base em decreto da Assembleia Geral da ONU de 2012.

Apesar de pequeno, o Butão é um grande reino budista, situado na extremidade oriental do Himalaia, encravado entre Índia e China, conhecido por seus mosteiros, fortalezas e paisagens impressionantes. Mesmo muito pobre, o Butão é lembrado como uma das nações mais felizes do mundo, apresentando baixíssimos índices de violência, ausência de moradores de rua e onde a fome é zero. Os habitantes são, em sua maioria, vegetarianos, sendo o arroz a base principal de sua culinária.

O progresso nacional e a condução de políticas públicas não são avaliados pelo PIB (Produto Interno Bruto), como nos demais países, mas no FIB (Felicidade Interna Bruta). O FIB baseia-se em indicadores de progresso, como: saúde, uso do tempo, educação, resiliência cultural, padrões de vida, diversidade ecológica, boa governança, vitalidade da comunidade e bem-estar psicológico. 

Foto: Gaurav Bagdi/Unsplash

Entretanto, mesmo considerando o FIB, o Butão tem ocupado acima da 90ª posição no Relatório Mundial da Felicidade das Nações Unidas (World Happiness Report – WHR). O país apresenta significativas carências em infraestrutura, em educação (em torno de 50% da população é analfabeta) e, por consequência, em saúde e padrão de vida.

Com base nos parâmetros quantitativos que são utilizados para compor o ranking do WHR, o Butão ocupa a parte de baixo da tabela. Para os habitantes desse pequeno país, no entanto, ele está entre os mais felizes do mundo.

Uma resposta para “A Felicidade no Butão”

Os comentários estão fechados.