Felicidade tem sabor?

Foto: Pablo Merchán Montes/Unsplash

Um pão caseiro recém-saído do forno, um croissant quentinho, uma doce e suculenta fruta típica do verão, um gostoso chocolate, um café passado na hora. Sabores aos quais não conseguimos resistir. Sabores que ativam nossas papilas gustativas e, ao mesmo tempo, acionam nosso cérebro fazendo relembrar momentos felizes de nossas vidas. 

Mas dá para dizer que esses sabores nos fazem felizes? Como eles afetam nossos níveis de Felicidade? Como se dá esse mecanismo? 

Depois de termos abordado, nos artigos anteriores, a relação do cheiro e do som com a Felicidade, agora é a vez de examinar a associação com o sabor. 

Saboroso ou saudável?

Foto: Sander Dalhuisen/Unsplash

O sabor de um alimento está relacionado ao prazer duradouro que vem da apreciação de seu valor sensorial e mesmo simbólico. No entanto, muitas vezes selecionamos comidas não por seu paladar, mas por serem saudáveis para o nosso corpo. Isso nos deixa satisfeitos, afinal, estamos fazendo um bem para nós mesmos. 

Por vezes, acabamos nos concentrando em aspectos negativos do comportamento alimentar, enfatizando a restrição a certos alimentos, o cálculo de calorias ou mesmo dietas restritivas. Outras vezes, escolhemos alimentos que não são assim tão saudáveis, mas que têm um sabor que realmente adoramos. 

Quando o assunto é comer, chegamos a fazer a associação espontânea de “não saudável = saboroso”. Entretanto, o consumo de alimentos considerados “não saudáveis” e, sendo assim, “saborosos”, como sorvete ou chocolate, pode não ser psicologicamente mais benéfico do que quaisquer outros alimentos, ainda que possamos pensar o contrário. 

Mas afinal, qual alimento nos faz mais felizes: aquele que notoriamente tem efeitos positivos diretos na nossa saúde ou o que gostamos muito, embora às vezes ele possa ser considerado um vilão? 

Foto: Marta Dzedyshko/Pexels.com

De uma forma geral, chocolate é um sabor comumente associado à Felicidade, seja porque nos remete à infância, como recompensa ou ainda por sua doçura. Uma pesquisa mostra que o cacau e o chocolate meio-amargo, ricos em flavonóides, podem trazer benefícios cognitivos, prevenindo declínios pelos efeitos neuroprotetores que possui. 

Mas o chocolate não é um melhor impulsionador do humor do que uma maçã. Um estudo sobre comportamento alimentar, que discute as perspectivas de “alimentação como saúde” e de “alimentação como bem-estar”, avaliou escolhas entre diferentes categorias de alimentos. Os resultados apontam que o consumo de vegetais contribuiu para elevar o nível de Felicidade dos participantes do experimento. 

O consumo de alimentos saudáveis é reforçado também por resultados de uma pesquisa com mais de 12.000 adultos na Austrália, que revelou que frutas e vegetais aumentam os níveis de Felicidade, de satisfação com a vida e de bem-estar. A alimentação com base em frutas e vegetais gera benefícios não apenas em nível físico, mas também mental e pode se constituir em um investimento de longo prazo no bem-estar futuro

Uma nova perspectiva promissora sugere a mudança de uma ênfase em contenção e restrições para uma compreensão mais positiva e abrangente do papel dos alimentos no bem-estar geral. Uma relação física, psicológica, emocional e social positiva com os alimentos.

Qual o sabor da Felicidade?

O bem-estar proporcionado pelos alimentos não está relacionado somente ao seu sabor. Os alimentos podem ser discutidos em termos emocionais, envolvendo conforto, recompensa, prazer, recordações ou até um pouco de nostalgia. 

Na pesquisa Caleidoscópio da Felicidade, perguntamos aos entrevistados quais eram os sabores que eles associavam à Felicidade e três deles foram os mais citados: 

  • Chocolate (23%)
  • Doces (17%) 
  • Bolos e pães caseiros (10%)

Muitas respostas vieram acompanhadas do fator nostalgia e de todo o envolvimento emocional que aquele sabor específico traz na “bagagem”. Veja alguns eleitos pelos nossos entrevistados como o sabor da Felicidade:

“Bolo de cenoura com calda de chocolate. Com certeza seria este o sabor da felicidade. E a cada garfada que eu desse, seria um pouco mais feliz apenas por lembrar das idas à praia e da parada obrigatória no Maquiné para comprar esse bolo antes de chegar em Tramandaí.”

“O sabor do strogonoff que comi aos quatro anos depois da cirurgia de amídalas que fiz. Ardeu a garganta, mas era muito bom.Talvez por simbolizar que tudo deu certo.”

“Bolo de morango com nata. Meu bolo preferido da minha avó paterna.”

“Vinho. Essa bebida sempre me lembra momentos especiais.”

“Feijão com arroz. Porque me lembra do tempo em que esse era o prato de todos os dias e estava tudo bem com isso. Porque minhas duas avós conseguiam fazer dois feijões completamente diferentes um do outro, e igualmente maravilhosos.”

“A Felicidade tem um sabor muito especial de torta de chocolate. Não é uma torta qualquer, mas é uma específica que, desde minha festa de 1 ano até hoje, está presente em todas nossas comemorações. Parece que estou sentindo o gosto dela agora.”

“Um simples prato de massa caseira com o mais puro molho a bolognesa. Porque fui criado com este cardápio e o sabor me remete a tempos de grande felicidade e segurança da infância.”

“De pão de casa que a minha avó faz.”

Bateu uma fome depois de ler sobre tantas delícias e suas memórias? Então, dá uma olhada na próxima seção do artigo em alguns alimentos que podem auxiliar nos níveis de Felicidade.

Alimentos para a Felicidade

Foto: Caju Gomes/Unsplash

Considerando que nosso cérebro e nosso corpo funcionam graças aos alimentos que escolhemos, faz todo o sentido pensar que o que comemos também influencia nossa saúde mental. Então, se o alimento influencia nossos níveis de Felicidade, o que deveríamos comer para nos sentirmos melhor?

Alguns alimentos contêm nutrientes que são capazes de aumentar a produção de quatro neurotransmissores essenciais, conhecidos popularmente como o “Quarteto da Felicidade”: dopamina, endorfina, ocitocina e serotonina. 

A endorfina estimula a sensação de bem-estar, conforto, melhor humor e alegria. A dopamina auxilia na regulação dos processos motivacionais. A serotonina é responsável por promover a sensação de prazer e de bem-estar. Por fim, a ocitocina promove a sensação de confiança, auxiliando na criação e na manutenção de relacionamentos. A redução nos níveis desses hormônios está relacionada ao estresse, ansiedade e depressão.

Para auxiliar a ativar os hormônios da Felicidade em nosso organismo, a ingestão de alguns alimentos está associada aos neurotransmissores:

 DopaminaEndorfinaOcitocinaSerotonina
Aveia ou quinoa  
Azeite de oliva   
Banana   
Chocolate (com mais de 70% de cacau)
Frutas cítricas
Mel
Oleaginosas (nozes, castanhas, amêndoas, etc.)
Peixes (salmão e sardinha) e frutos do mar 
Pimenta
Proteínas (carne, ovos, leite e derivados)
Sementes de abóbora
Vegetais com folhas escuras (espinafre, rúcula)

Além das atividades físicas, do contato com a natureza e dos relacionamentos afetivos, a alimentação pode ser um importante aliado de nossa Felicidade. Monte seu menu, prepare uma receita, curta o sabor, alimente sua saúde e seja feliz!

E para você, qual é o sabor da Felicidade? 

Continue acompanhando nossos conteúdos aqui no blog e no Instagram.

2 respostas para “Felicidade tem sabor?”

Os comentários estão fechados.