Generosidade e Felicidade

“A nossa Felicidade será naturalmente proporcional
à Felicidade que fizermos aos outros.” 

Allan Kardec 

Foto: Annie Spratt/Unsplash

Você provavelmente já ouviu, ao menos uma vez, o ditado popular “fazer o bem sem olhar a quem”. Uma lição que guardamos na memória, mas que nem sempre praticamos, embora sempre esperemos um olhar generoso das outras pessoas. 

Se soubéssemos o quanto agir com generosidade, sem esperar reconhecimento ou retribuição, nos torna mais felizes, certamente mudaríamos nosso comportamento. Mas fazer o bem realmente faz bem? Qual a relação entre generosidade e Felicidade? 

Neste artigo, analisamos essa relação e discutimos os benefícios de um comportamento generoso.

Ser generoso faz você (também) mais feliz 

Foto: RODNAE Productions/Pexels.com

Pesquisas demonstram que a generosidade tem uma relação causal direta com a Felicidade. Pessoas altruístas, que doam dinheiro, tempo ou recursos para caridade tendem a ser mais felizes e também mais saudáveis. Participantes de um estudo experimental, realizado nos Estados Unidos, receberam dinheiro para utilizá-lo consigo mesmo ou para doá-lo a outras pessoas ou causas. Os resultados revelaram que as pessoas que doaram o dinheiro apresentaram níveis mais elevados de Felicidade do que aquelas que simplesmente gastaram o dinheiro.

Edições posteriores desse estudo foram replicadas no Canadá e em Uganda, dois países extremamente diferentes em termos culturais e de renda. Os resultados obtidos foram muito similares, sugerindo que o bem-estar decorrente do comportamento generoso associado à doação é algo intrínseco aos humanos, aumentando os níveis de Felicidade. 

Quando alguém está feliz, geralmente também é mais generoso. E se é mais generoso, fica mais feliz. Ou seja, há efeito compensador e cíclico no comportamento generoso. Atos de generosidade ativam regiões do cérebro associadas ao prazer, à conexão social e à confiança, criando um efeito benéfico. Esse comportamento altruísta libera endorfinas no cérebro, produzindo um sentimento positivo conhecido como “empolgação por ajudar”.

Pessoas generosas são mais saudáveis 

Para ser generoso e experimentar os benefícios emocionais de doar não é preciso dispor de muito. Por exemplo, um grande ato de generosidade é a doação de sangue, que ajuda a salvar vidas. Um gesto simples que, além de dar esperança de vida e de saúde para quem precisa muito, gera benefícios para a saúde do doador, pois reduz riscos de doenças cardíacas por meio da renovação das células. Ou seja, fazer o bem faz bem à saúde, já que os bons sentimentos se refletem em nossa biologia. 

Pesquisadores sugerem que uma das razões pelas quais o comportamento generoso pode melhorar a saúde física e a longevidade é que ele ajuda a diminuir o estresse, que, por sua vez, está associado a uma variedade de problemas de saúde. Além disso, pessoas generosas tendem a apresentar níveis mais baixos de pressão arterial, sugerindo um benefício fisiológico direto para aqueles que doam.

Dar é mais do que receber 

Há pessoas que, com sua generosidade, fazem uma grande diferença no nosso mundo (e ele precisa muito disso). São pessoas que doam sem esperar nada específico em troca, mas apenas com a esperança de ajudar e fazer as coisas acontecerem. Pessoas que relutam em defender seus próprios interesses e que estão dispostas a largar tudo para ajudar os outros, em qualquer momento. 

Para essas pessoas, a generosidade canaliza o cuidado com aqueles com menos recursos, seja por meio de uma doação para uma instituição de caridade, seja dedicando seu tempo para ouvir outra pessoa, ou mesmo doando um agasalho ou um sapato para alguém na rua. Há muitas pessoas que são generosas com animais, com projetos sociais, com o meio ambiente, dedicando seu tempo, recursos e o melhor de si. Certamente, esses atos generosos fazem bem para quem recebe, mas, sobretudo, para quem doa.

Quando você doa, é muito provável que você receba de volta. Às vezes até da mesma pessoa com a qual você foi generoso. Um simples obrigado, um olhar agradecido, um sorriso. Essas trocas promovem um senso de confiança e cooperação que fortalece nossos laços com os outros. Assim, quanto mais intenso é o altruísmo decorrente da conexão social, maior seu efeito sobre os níveis de Felicidade.

“A gratidão de quem recebe um benefício
é bem menor que o prazer daquele de quem o faz”

Machado de Assis, 1839-1908

A cascata de generosidade 

A generosidade promove a cooperação e a conexão social. Um comportamento generoso leva as pessoas a perceber os outros de forma mais positiva e caridosa, o que promove um senso elevado de interdependência e cooperação.  

Quando somos generosos, não apenas ajudamos o destinatário de nossos atos, mas também estimulamos um efeito cascata em outras pessoas. O comportamento generoso inspira os demais a serem igualmente generosos em relação a diferentes pessoas. Como resultado, cada pessoa em uma rede pode influenciar dezenas ou mesmo centenas de outras, algumas das quais ela não conhece e não conhecerá.

Essa cascata de generosidade pode estar relacionada à liberação de oxitocina, um hormônio que induz sentimentos de calor, euforia e conexão com outras pessoas e que pode, potencialmente, gerar um círculo virtuoso, onde o comportamento generoso de uma pessoa desencadeia o de outra.

Portanto, a sua Felicidade também depende da sua generosidade. Quer você compre presentes, quer você seja voluntário em um projeto, quer você doe recursos para instituições de caridade, sua generosidade pode ajudar a construir conexões sociais mais fortes e até mesmo iniciar uma cascata de generosidade em sua comunidade. 

Para isso, um comportamento generoso começa com algumas atitudes simples e determinadas:

Nunca espere nada em troca

Trate bem todos ao seu redor 

Torne-se voluntário em algum projeto

Se você não é juiz, não julgue. Nunca!

Ouça. Com atenção.

Certamente, sua generosidade vai beneficiar você com uma grande dose de Felicidade.

Continue acompanhando nossos conteúdos no blog e no Instagram.

Uma resposta para “Generosidade e Felicidade”

Os comentários estão fechados.